Declaro "paraguas"

Hoje declaro minha morte.
Morro sem dó nem rancor,
Morro de morte pensada
E de uma conversa marcada
Na falta da prova indolor.

Morro da verdade inventada
E por mim tantas vezes querida;
De uma idéia de juízo tolhida,
Sem pé, nem cabeça, nem nada;
De uma idéia que me enganava.

Não sei se mais mata o engano,
Ou a tolice que antes me consumia.
Se a questão que agora me arrasa
É a certeza da palavra vazia,
Neste instante me quero sensata.

Não procuro mais exatidão.
Quero franqueza comigo mesma;
Sobre um desejo que castiga e mata,
Que diante da morte não cala
Mas no meu pensamento se acaba.

Sei que morrem as idéias
E vão morrendo com os dias
E com elas outros valores;
Valores que outrora queria;
Queria porque calavam amores.

8 Sussurros:

Freak disse...

"Morro da verdade inventada
E por mim tantas vezes querida;"

ahhh como me identifico! =D

Juliana disse...

"Hoje declaro minha morte.
Morro sem dó nem rancor,[...]"

Quantas vezes não moerraemos diariamente?

Mel disse...

Que lindo teus sussurros!

Juliana disse...

"Não sei se mais mata o engano"
Nossa!

Mr. Rickes disse...

MONSTRO!!!

Cada dia que passa, mais me encanto.

Morremos e renascemos constantemente. A morte faz parte da vida e necessitamos dela tanto quanto de água.

0/

Rody Cáceres disse...

pequenininha...quem olha de longe não reconhece a imensa artista que mora nesse corpo frágil e nesse rostinho meigo...lindo...ainda bem que morres apenas de morte pensada...

O livro de Lara disse...

Obrigada pelos comentários!!!!!!!
Suas poesias são muito bonitas também!!!!!!!!
Adorei!!!!!!!

O livro de Lara disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.

Quem sou eu

Minha foto
Sou o verbo: o estado, o tempo e a ação contínua.

Pesquisar este blog