Crime e castigo*

Erros meus, má sorte.
Pela sede de um amor
eu fui julgada e castigada,
entregue aos males, redobrada
da vaidade ao dissabor.


Pois que tudo era errado e seduzia
a própria morte, a minha vez.
E quanto mais me contentava de alegria
mais amava e me perdia,
porque era forte e me desfez.


E foi de tão secreto descoberto:
suor, saliva e sentimento.
E fui jogada num deserto
à triste sorte, ao frio do vento.
Me fiz calar... Mas não lamento.


* o título faz alusão ao romance de Fiódor Dostoiévski.

9 Sussurros:

Mr. Rickes disse...

Muitas vezes por não querermos a dúvida em nossa vida, simplemente escolhemos fazer e lidar com as consequencias. Eu sou assim!
Se deu errado, aprendemos com os erros e damos a volta por cima, ficar se lamentando não adianta nada.

Mais uma bela Monstruosidade!!!

=D

Zé urbano disse...

Vc junta emoções e não letras.Te adoro. vc escreve lindo. A propósito:PARABÉNS atrasado, desculpa.bj.

Zé urbano disse...

DECISÃO

Teu beijo, tua língua, teu suor
que me fazem morrer à míngua.
Já não sei o que é pior;
se é ter o beijo, o suor, a língua
ou ficar assim tão só.
Bj.

Zé urbano disse...

A propósito, fostes me ver na festa do mar?

Zé urbano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Zé urbano disse...

estarei tocando no Ponto Z domingo 19/04.Abç.

Zé urbano disse...

Essa é a moça que junta letrinhas e leva junto o coração da gente!

Freak disse...

Pequeno, mas cheio de valor! Gosto muito do que escreves, Silvaninha!

=)

ricardo ara disse...

estou te seguindo - pelo blog- apartir de agora

curti teus poemas

Quem sou eu

Minha foto
Sou o verbo: o estado, o tempo e a ação contínua.

Pesquisar este blog