Rosa dos ventos

Sou a Rosa sem espinho
Dos caminhos, das estradas.
Sou a alma do destino
E o vento das
encruzilhadas.
Sou a santa dos perdidos
Dos que não sabem aonde ir
E que a perder não têm mais nada.

Sou a Rosa em quatro ventos,
Sou a brisa do verão,
Sou a voz no fio do tempo
E a cantiga dos sem chão,
Dos que
caminham sem um rumo,
Dos que se perdem pelo
mundo
E que não sabem aonde vão.

9 Sussurros:

Delírios Cotidianos disse...

Não sei porque, mas me lembrou aquela canção tão onírica quanto a mais doce utopia, "pra não dizer que não falei de flores". É notável o diálogo entre ambas.

Quanto a poesia em si, nem tenho mais o que falar, somente dizer que virei teu leitor assídu e que gosto muito do que escreves. Enquanto isso caminhamos seguindo a canção...

Zé urbano disse...

Oi linda, já nem és mais uma rosa e sim um jardim inteiro.Vendo tua foto ao lado me veio a inspiração:
Como pode uma foto expressar
tão sublime alma adolescente
um olhar que mira o chão...divagar...
e acerta o infinito da gente.

beijo.

Rafael disse...

OI Silvana, nossa adorei essa, como todas as outras, sempre. Viu como escolhestes o caminho certo?

Abração guria!!!

Phyhernandes disse...

Ae Silvana!

Como sempre versos de uma suavidade deliciosa e de uma fortitude explêndida.

Juliana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Juliana disse...

Me lembrou uma pomba gira... Adorei

Rody Cáceres disse...

sim...ótimo...ainda estou me recuperando...ufa! És a Santa do Jack Kerouac...

Max Raine disse...

Surrealmente encantador!
Mostraste sua verdadeira essência nesse poema...
Parabéns pelo talento!
abraço

Palavras de mulher. disse...

LIndo poema..me encontrei subtamente nele!!!!

Quem sou eu

Minha foto
Sou o verbo: o estado, o tempo e a ação contínua.

Pesquisar este blog