O ar do mar

Cai a noite cinza de inverno sobre o mar .

De pé sobre as pedras,
Como um farol radiante,
Uma mulher de mármore
Espera por seu amante.
-
Os olhos fixos no mar.
Há apenas dois sons no ar:
Ondas batem nas pedras
E gaivotas se convidam a dançar.
-
Da mesma forma
Seu coração a convida a esperar.
Na esperança de que o amante
Não vá se demorar.
-
Se o cabelo bate ás costas
É porque já começa a ventar.
Se o coração lhe aperta
É porque o tempo começa contar.
-
O tambor soa e a flauta toca.
Vem a escuridão,
Mas o amante não.
-
Então os olhos se fecham
Os punhos seram.
E sob o doce som do mar.
Ela deixa sua alma voar.
-
Voa com as gaivotas
Sob o céu que não é azul.
Voa, voa para lugar nenhum.
E deixa o vento lhe guiar.
-
Plana leve sobre o mar.
Mas quando se dá conta,
Ainda está parada no mesmo lugar.
-
A alma gela
E o coração pára
Mas ela continua a esperar,
Na esperança inútil
De que um dia
Ele venha lhe buscar.

1 Sussurros:

Phyhernandes disse...

A vida da mulher de marinheiro, de pescador... É rezar para que Netuno não se zangue e que Iemanjá os proteja.

Quem sou eu

Minha foto
Sou o verbo: o estado, o tempo e a ação contínua.

Pesquisar este blog