Correnteza

Como pode esse desejo
Arder no peito tanto
Se não há de igual
Tão forte anseio
Que acalme a viva alma
Deste mar em pranto?

Como pode a luz da lua
Teu fino rosto transformar,
Pintar teus olhos de vontade,
O peito alvo revelar;
Se quando vem o dia
Já não és meu mesmo par?

Pois ouça o canto das marés,
O fio forte, correnteza.

E se um dia o forte abalo
Destas ondas vier te inundar,
Saibas que deste lugar
Não serei mais estado.
Já me terei levado,
Pois sempre fui aquela
Que das ondas se deixou levar.

3 Sussurros:

Mr. Rickes disse...

O amor e seus anseios. SEntimentos conturbados e perturbadores.
Sobre o outro poema:
Vc fala em castelo. Princesas vivem em castelos e interpretei como sendo uma princesa o teu eu lirico. Ou até mesmo um amor de conto de fadas (princesa novamente)

calebe disse...

curtiiiiii um monte!

Zé urbano disse...

Até o teu comentário é uma inspiração! Sobre as ondas... elas vão e vem. bj

Quem sou eu

Minha foto
Sou o verbo: o estado, o tempo e a ação contínua.

Pesquisar este blog