Pequenino amor

Aponto meu lápis com carinho,
Para num papel desenhar-te um versinho,
Neste instante que me encontro aqui sozinho.
-
Não te espantes se não for tão bonitinho,
E nem de doce que é feito teu jeitinho.
-
Dou-te com amor o meu versinho
Que componho a reclamar tua atenção,
Dessa sorte que só quero um pouquinho
Venha a mim aliviar meu coração.
-
Nada tenho nesta vida para te dar,
Nem de lua é feito meu caminho.
Minha vida deve o amor que aqui pago,
Com afago
Que te pago com beijinhos.


6 Sussurros:

Paula M. disse...

que bonitinho!
que gracioso!
que sincero!
e que delicia esse amor!

Phyhernandes disse...

Oi Lena!
Cara que barato este poema...
Me lembra a delicadeza da Florbela Espanca.
Novamente: Perfeito!

Phyhernandes disse...

Muito prazer Silvana!!!
Pensei que eras Lena mesmo hehe
Bjos

Juliana disse...

Gostei... achei puro, me pareceu um tanto quanto inocente...A inocência do amor é linda! *-*

к.м.    disse...

Nháaa muito lindo o poeminha!
Amei mesmo...
Eu tô sem tempo, mas outro dia eu ainda apareço pra ler mais ^^

Queria escrever poemas tbm, mas tenho mania de metrificar os versos, e isso complica a minha vida U___U

Kissu ;**

até mais ver

Igue disse...

Amor inocente...
Me despertou um sorriso,

Quem sou eu

Minha foto
Sou o verbo: o estado, o tempo e a ação contínua.

Pesquisar este blog